Dê o Primeiro Passo…

Às vezes quando queremos algo e temos medo ou preguiça, usamos as desculpas mais conhecidas para justificar o porquê de não cuidarmos bem do nosso dinheiro ou até participar de uma maratona. Maratona? É, maratona! E por que não? Damos as mesmas desculpas: “não tenho tempo”, “não tenho dinheiro” … Dê o primeiro passo. É o mais importante, sem começar não chegamos a lugar algum. Não importa a forma, a performance será melhorada durante os treinos.

Quando temos o motivo, a meta, o objetivo, o trabalho a ser realizado, o alvo, seja lá o que for, as coisas acontecem pela energia movida por um motivo. Isso é Física e não um milagre! É uma força interior colocada em prática o desejo e a vontade. Pessoas motivadas alcançam todos os seus objetivos. Sabemos da necessidade de cuidarmos da nossa saúde, mas falta disciplina para isso.

A mesma motivação serve também para os iniciantes na corrida. Para isso, comece com uma caminhada de 30 minutos em dias alternados, depois vá aumentando aos poucos. O corpo se adapta, mas os obstáculos são muitos. Uma manhã mais fria ou o cansaço farão você pensar duas vezes na hora de levantar da cama.

De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), precisamos realizar no mínimo 30 minutos de atividade física, por cinco dias da semana. Falo da corrida por tê-la inserido em minha vida. No início estava fora de forma e sedentário, hoje participo de maratonas. Se eu consegui, qualquer pessoa consegue.

Corrida é um esporte de superação e traz uma série de benefícios, além de emagrecer, o combate de doenças, aumenta a autoestima, melhora seu condicionamento físico e força, e o melhor de tudo, é democrática. É preciso paciência e motivação. Encontre sua própria maneira de correr, aumente sua performance e não se esqueça de se manter saudável.

Precisamos nos habituar a estabelecer metas e desafios e desejar alcança-los. Mais que isso, é preciso crer que somos capazes de realizá-los. Sem isso, qualquer esforço parece imenso. Qualquer obstáculo, por menos que seja, torna-se insuportável. Cada um de nós vale pelo tamanho de seus sonhos e pela capacidade de transformá-los em realidade. É uma decisão pessoal.

por Marcelo Mirabelli

Mudança de Paradigma

Mudança de paradigma
Tradução: “Oh wow! Mudança de paradigma!”

Mudança de paradigma: Muitos de nós fazemos coisas repetidamente sem sequer nos apercebermos do porquê de as fazermos daquela forma. Isso acontece simplesmente porque fomos condicionados numa determinada mentalidade geralmente desde a nossa infância, quer pelo exemplo dos nossos pais ou familiares, quer pelo que nos ensinaram durante a nossa formação.

Mudança de paradigma: O que é?

Mas afinal o que é um paradigma? Um paradigma é:

  • Um modelo mental
  • Uma maneira de ver
  • Um filtro para a percepção das coisas e dos fenômenos
  • Uma moldura de referência
  • Um modo de pensar, ou um conjunto de crenças através das quais se interpreta o mundo
  • Um exemplo usado para definir um fenômeno
  • Uma crença tida em comum entre um grupo de pessoas

Assim, mudança de paradigma significa a mudança de uma maneira de pensar, por outra. Uma revolução, uma transformação, uma espécie de metamorfose.

O condicionamento mental impede a mudança de paradigma

Ao longo da nossa vida, vamos acumulando experiências e vivências que nos condicionam a fazermos as coisas de uma determinada maneira e pior do que isso, pensarmos que não existe outra forma de as fazer.

Uma mudança de paradigma passa por alargarmos os nossos horizontes  e não rejeitarmos ideias diferentes só porque nos parecem pouco comuns. A definição de insanidade é:

“Fazer sempre a mesma coisa e esperar resultados diferentes.”

Certamente, já serias rico e feliz se o que estás a fazer desse certo. Qualquer outra coisa que a tua mente invente como resposta não passa de uma desculpa esfarrapada.

Quando não atingimos o que queremos é frequente arranjarmos as mais diversas desculpas e culparmos alguém ou alguma coisa pelo nosso fracasso.

Mas, se refletirmos um pouco e formos honestos conosco próprios, vamos perceber que a pessoa que sempre esteve lá quando algo nos aconteceu, fomos nós! Então, nós somos os causadores dessa coisa e não os outros.

Ouço todos os dias as pessoas queixarem-se das suas vidas miseráveis e deitarem as culpas no estado, no patrão, nos colegas, no sócio, no marido, nos pais, nos amigos, no periquito… Mas, a realidade é que quando lhes perguntam porque não fazem algo a respeito a resposta é: “não posso”.

Quem controla a tua vida, afinal?

Fonte